O impacto do COVID-19 

Até 30 de Maio, o Ministério da Saúde informa que o número de infectados pelo Coronavírus no Brasil chegou a 498.440. Já são 40% de brasileiros curados e 54% estão em recuperação. Mesmo diante da ainda necessidade de nos restringir socialmente e de tantas ações necessárias para impedir o crescimento de infectados, podemos já vislumbrar algo de positivo nos dias que se seguem. Sim, há necessidade de mudanças, mas podemos enxergar a luz no fim do túnel especialmente para o nosso setor.

O Turismo precisa se reinventar

O turismo sempre teve uma característica resiliente de se reerguer, seja diante de catástrofes climáticas, seja diante crises como a que estamos vivendo. Nosso segmento movimenta mais de 52 setores da economia e, em 2019, faturou R$ 238,6 bilhões. Os consumidores, além de viajar, tem movimentado o segmento de alimentos e bebidas, explorando a gastronomia local durante as viagens, além de se deslocar mais e melhor com aluguéis de carros, traslados, dentre outros. Imagine que, no planeta, o setor movimenta mais de US$ 3,5 trilhões e é responsável pelo emprego de cerca de 180 milhões de pessoas.

Você deve estar pensando “e agora, com a pandemia em vigência, o que será deste mercado?”. A curto prazo, o momento certamente será bem mais desafiador do que possamos imaginar. Mas isso não durará para sempre e, sim, já é possível pensar, nas próximas temporadas. A partir de Dezembro e no próximo verão já precisaremos estar transformados para fazer com que, de maneira diferente, a economia volte a girar. E como isso? Simples, pensando no cliente. Atribuindo a ele toda atenção, carinho e cuidado que se faz necessário.

A transformação na prática

Muitos hotéis, parceiros da Allpoints, já iniciaram a implantação de práticas importantes para receber os hóspedes. Redobrar os cuidados com a higiene é essencial: distribuir álcool em gel em todas as áreas úteis do prédio; proteger os hóspedes e recepcionistas, simultaneamente, com barreiras de plástico, utilização de luvas e máscaras; reduzir aglomerações e utilizar rigorosamente os protocolos para reduzir os riscos de contágio.

Mas não é somente isso. Neste momento, redobra-se a necessidade de mais empatia, mais solidariedade e carinho. As pessoas estão naturalmente mais sensíveis e carentes do afago humano. A instituição que conseguir concretizar essas práticas certamente estará à frente de seus concorrentes.

A luz no fim do túnel 

As pessoas não deixarão de viajar e o mercado, naturalmente, ganhará sua tração. Espera-se que o retorno da movimentação ocorrerá com viagens de carro, a curtas distâncias. O que é possível oferecer de excepcional para esse hóspede que é “quase seu vizinho”? Como propor um serviço diferenciado e ao mesmo tempo maravilhoso? Os desafios estarão nas pequenas coisas.

Num segundo momento, espera-se que o turismo corporativo retome seu ritmo. E isso dará espaço às viagens de longas distâncias.

Aquele que tiver o cuidado para olhar para esses movimentos com atenção, buscando entender e reconhecer esse consumidor que também está se readequando a você, será bem sucedido. E nós, aqui da Allpoints, estamos de olho em tudo que envolve essas transformações, para acompanhar a retomada de mercado de maneira diferente, mais madura, e, claro, sempre oferecendo as melhores possibilidades e oportunidades de negócios aos nossos parceiros.

Spread the love